| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Tropa News
Desde: 07/08/2009      Publicadas: 239      Atualização: 21/05/2010

Capa |  Blogs e Colunas  |  Cidades  |  Comida  |  Cultura  |  Diversão  |  Economia  |  Educação  |  Equipe  |  Esporte  |  Informática  |  Mundo  |  Opinião  |  Pérolas iMundas  |  Política  |  Saúde


 Economia

  12/08/2009
  0 comentário(s)


CONSENSO DE WASHINGTON E GLOBALIZAÇÃO - Por Sardenberg

A economia brasileira decolou quando o produto mundial crescia a taxas raríssimas de 5% ao ano e o comércio global de mercadorias e serviços se expandia a um ritmo em torno dos 10%, ainda mais inédito.

CONSENSO DE WASHINGTON E GLOBALIZAÇÃO - Por SardenbergO Brasil perdeu o embalo e desacelerou a fortemente a partir de outubro de 2008, quando a economia global entrou em recessão.
Teria sido apenas coincidência?
Observem estes números: em 2003, a Vale exportava US$ 765 milhões de minério de ferro para a China no ano passado, foram nada menos que US$ 4,9 bilhões.
Claro que o país não cresce apenas por causa das exportações. Ao contrário, a demanda doméstica brasileira vinha crescendo a um ritmo quase chinês perto de 10% ao ano.
Mas a atividade exportadora multiplica negócios internos. Imaginem a quantidade de pessoas e empresas trabalhando aqui no Brasil para que a Vale vendesse minério de ferro na China.
Outra conexão: a Petrobrás ganha dinheiro com o petróleo encarecido pela explosão do consumo mundial de combustíveis. Aliás, até 2003, o Brasil não exportava um litro de óleo para a China. Em 2007, vendeu US$ 1,7 bilhão.
Com esse dinheiro, a Petrobrás acelera a exploração e produção no Brasil, gerando demanda doméstica.
Outro exemplo: em 2007, auge do crescimento mundial, as empresas privadas brasileiras captaram R$ 160 bilhões com a emissão de ações, debêntures, notas promissórias e outros títulos. Foi tudo no mercado doméstico, mas dinheiro trazido na maior parte por investidores estrangeiros, nas rodadas da ciranda financeira.
Sabem quanto as empresas haviam captado em 2003? R$ 13 bilhões.
No ano passado, essas captações ainda deram alguma coisa até setembro. Depois, sumiram.
Claramente, a globalização puxou o Brasil, assim como trouxe quase todas as nações do mundo para um ritmo de crescimento muito forte. A festa foi para todos, ricos, emergentes e pobres. Entre os emergentes, um padrão idêntico: rápido crescimento das exportações e recebimento de bilhões de dólares em investimento externo direto e outros bilhões em financiamento e aplicações em bolsas de valores.
O período foi tão bom que cresceram até os países com governos ruins mas que tinham alguma coisa para vender no mundo, fosse a carne da Argentina, o petróleo da Venezuela, o gás da Ucrânia.
O presidente Lula e seus ministros contam aqui uma outra história. Dizem que o Brasil cresceu e vai continuar crescendo por causa do PAC e dos gastos sociais de seu governo.
Mas, como disse Miriam Leitão no seu comentário na CBN, ontem, se o PAC está funcionando tão bem, com as obras em dia e agora com mais investimentos, por que as empresas estão parando e desempregando?
O PAC é só propaganda.
Tome o caso do metrô de S.Paulo, um empreendimento do governo paulista, com dinheiro do Estado, da prefeitura de S.Paulo, de empreiteiras privadas e mais financiamentos locais e externos, com uma pequena parte de recursos federais.
Não estava no PAC, agora foi incluído.
O que muda?
Nada. A obra continua do mesmíssimo jeito, sujeita às mesmas condições, controlada pelo governo paulista, e dependendo das condições gerais da economia.
A única diferença é que passa a chamar-se obra do PAC. E assim o presidente vende à população a tese de que seu governo está combatendo a crise que veio de fora.
Mas Lula tem razão em dizer que o país está mais bem preparado para enfrentar a crise. Ao contrário das crises anteriores, desta vez o Brasil não vai quebrar.
E sabem por quê? Porque cumpriu os principais preceitos do Consenso de Washington, a saber: equilíbrio fiscal, com superávit primário para pagar a conta de juros e reduzir o endividamento público regime de metas de inflação com Banco Central independente na prática câmbio flutuante, que facilitou a aquisição de reservas e privatizações, retomadas por Lula com as concessões de estradas, ferrovias, portos e usinas hidrelétricas.
Isso garantiu a estabilidade macroeconômica, reconhecida pelo mercado global, que nos concedeu o título de grau de investimento.
Eis a receita real: globalização e Consenso de Washington.
O resto é propaganda, que pega.


  Mais notícias da seção Brasil no caderno Economia
11/10/2009 - Brasil - Brasil tem a supervisão bancária mais eficaz do mundo, diz relatório
O sistema de supervisão bancária e financeira adotado no Brasil é considerado pelo Fórum Econômico Mundial como o "mais eficaz do mundo". ...
27/08/2009 - Brasil - Economia do governo para pagar juros cai pela metade
Superávit primário até julho soma R$ 38,4 bilhões, o equivalente a 2,25% do PIB, anuncia o Banco Central...
22/08/2009 - Brasil - Lula e o mistério do desenvolvimento
"O Brasil também viveu avanços institucionais e mentais quenos trouxeram a democracia e a estabilidade. Lula não podereivindicar o mérito exclusivo pelos respectivos frutos"...
20/08/2009 - Brasil - A pedido do MST, governo atualiza índices
Essa é a verdadeira revolução bolivariana.Lulla quis fazer isso logo no começo de seu governo mas foi aconselhado a "confiscar" terras produtivas logo no início de mandato. Tá aí... ...
16/08/2009 - Brasil - TCU reprova uma em cada três obras no País
Dos 153 projetos auditados em 2008 pelo tribunal, 48 apresentaram problemas e até irregularidades graves...
12/08/2009 - Brasil - Comércio em moeda local com a Argentina ainda é modesto
Enquanto Banco Central defende que sistema está crescendo no Brasil, economista fala em 'sonho de verão'...
12/08/2009 - Brasil - CALCULANDO A IGUALDADE DE ACÔRDO COM O INDICE GINI - Por Sandra Salen
Não faz muito tempo, calculei no excel um ensaio sobre os indices GINI, que mede a igualdade de cada país. Na época a 1ª. Colocada no indice GINI era a Belarussia, um país de pouca expressão.Veremos......
10/08/2009 - Brasil - Pré-sal: o Brasil escolhe modelo de países atrasados
O Brasil está seguindo o caminho de outros países subdesenvolvidos na exploração do petróleo na camada do pré-sal. Está trocando o modelo de exploração de concessão, adotado por EUA, Inglaterra, Noruega, pelo regime de partilha, que é usado por Nigéria, Líbia e Angola. Por que exatamente isso está sendo defendido pelo governo brasileiro nem mesmo o...
08/08/2009 - Brasil - A RELAÇÃO DO MERCADO FINANCEIRO E O DOLAR - Por Sandra Salen
Oras, é uma simples lei de Newton: Tudo que sobe e perde o folego tem que descer, ou vcs. acharam que isso iria continuar por muito tempo? Seria muita ingenuidade, porque logicamente haverá outra alta e depois outra baixa. A estabilidade da Bolsa de Valores é um mito, isso nunca ocorreu e nem vai acontecer....
08/08/2009 - Brasil - PRÉ-SAL: DESMASCARANDO O MENTIROSO E OPORTUNISTA LULA
Documento provando o total conhecimento prévio e já antigo dessa camada pré-sal, tão marketeada como mais um feito do desgoverno desse farsante...Leiaa a carta do ex-Ministro Alexis Stepanenko, das Minas e Energia do Governo Itamar Franco....
07/08/2009 - Brasil - O Subprime Brasileiro - Por Sandra Salen
Seria uma mera cópia?...
07/08/2009 - Brasil - Para os desavisados que acham que só a "zelite" paga impostos...
Pois é...É comum ouvir pessoas do povo dizendo que só a "zelite"paga impostos...Que engano!Justamente as pessoas mais simples são as que pagam MAIS impostos...Só que elas NÃO SABEM!Essas informações a seguir deixam claro o nível de exploração que TODOS nós brasileiros estamos expostos.E para que?Para os desgovernantes roubarem tudo...Divulguem isso...



Capa |  Blogs e Colunas  |  Cidades  |  Comida  |  Cultura  |  Diversão  |  Economia  |  Educação  |  Equipe  |  Esporte  |  Informática  |  Mundo  |  Opinião  |  Pérolas iMundas  |  Política  |  Saúde
Busca em

  
239 Notícias